Anais de Trabalhos Científicos 7º CBHV

Tratamento de Linfoma em Cães (Canis familiaris) com Fármacos Dinamizados: Homeopatia e Isoterapia

AUTORES

Maria Cristina Ribeiro (MV autônomo / RJ)


RESUMO INTRODUÇÃO

As doenças neoplásicas tem aumentado a sua incidência na clínica de pequenos animais. Os linfomas são encontrados em aproximadamente 18% dos casos e são 80% de todas as neoplasias hematopoeticas (1) A quimioterapia é o tratamento mais utilizado para tratar esta patologia e a Doxorrubicina associada aos protocolos é o tratamento considerado o mais indicado por muitos oncologistas (2) Os protocolos mais utilizados que são: Ciclofosfamida, Sulfato de Vincristina e Prednisona (COP) e L-asparginase (3). A Prednisona, Vincristina e Ciclofosfamida têm como efeitos principais mielossupressão, hepatopatia e cistite hemorrágica sendo estes fatores limitantes ao tratamento. Exames de hemograma, bioquímica e urinálise do paciente em tratamento precisam ser feitos como rotina (4). Os fármacos dinamizados a homeopatia e isoterapia podem também ser utilizados no tratamento do linfoma com vantagens de: ausência de efeitos colaterais, de intoxicações, intolerância medicamentosa, fácil administração e utilização, custo acessível, possibilidade de conciliar com qualquer outra terapia promovendo a melhora da qualidade de vida dos pacientes (5). Este trabalho tem como objetivo demonstrar quatro casos clínicos de cães com linfoma tratados com fármacos dinamizados e os benefícios obtidos pelos mesmos durante o tratamento.


MATERIAL / MÉTODO

Relato de quatro casos clínicos de cães portadores de linfoma, onde dois deles fizeram também o tratamento convencional com quimioterápicos. Foram avaliados de acordo com as fichas clínicas que continham resenha do animal, dados de anamnese, achados clínicos, exames complementares, resultados de exames, tratamentos e avaliação dos retornos após os tratamentos prescritos. (Tabela 1). Todos foram tratados com fármacos dinamizados: homeopatia e isoterapia (Tabelas 2). Cada animal foi observado individualmente quanto às manifestações comportamentais e sintomas por eles apresentados para que se fizessem a correlação de similitude entre os sintomas observados no doente e o medicamento homeopático prescrito. Foram prescritos suposto medicamento Simillimum visando abranger a totalidade dos sintomas físicos e comportamentais, medicamentos homeopáticos de ação antimiasmática com o objetivo de minimizar tendências às doenças crônicas (6) e medicamentos homeopáticos e isoterapicos para os sintomas físicos apresentados no decorrer do tratamento devido à doença e utilização dos quimioterápicos.


RESULTADO

Caso 1 Tratou somente com os fármacos dinamizados. Na primeira consulta apresentou hemograma com Hemácias (2500 céls/µL) hemoglobina (6,0 g/dL), hematócrito (21%) e a leucometria global aumentada (25100 céls/ µL). Na ultima consulta o animal apresentava estado geral bom, completado a troca de dentes e um ano de idade. Sem vômitos e nem soluços e com parâmetros sanguíneos consideravelmente melhores Hemácias (4830 céls/µL) hemoglobina (8,2 g/dL), hematócrito (29%) e a leucometria global (15000 céls/ µL). Teve óbito dois meses após no dia do óbito parou de comer e teve um episódio de vomito até o dia anterior estava bem. Caso 2 apresentou efeitos colaterais graves logo no inicio da quimioterapia, que foi suspensa e por isso foi encaminhado para o tratamento homeopático. O cão mostrava-se apático e não queria sair para os passeios. Com o tratamento foram revertidos os efeitos colaterais e o animal voltou à quimioterapia e não apresentou mais efeitos colaterais graves e foi mantido o tratamento com os fármacos dinamizados. Faleceu após três meses e durante este período normalizou as enzimas hepáticas, ficou novamente com disposição para os passeios, voltou a latir e se comportar como antes da doença. Os sintomas respiratórios atribuídos a possível metástase pulmonar, segundo laudo do raio x, desapareceram completamente. Houve melhora considerável na qualidade de vida. Caso 3 no inicio do tratamento quimioterápico apresentou linfopenia grave. A mielossupressão, provocada por estas drogas podem ser um fator limitante ao tratamento destes pacientes (4). Por este motivo foi encaminhado para o tratamento homeopático e a leucopenia foi revertida com o decorrer do tratamento com os fármacos dinamizados. Demais efeitos colaterais provocados pela quimioterapia como os sintomas neurológicos, diminuição do apetite e os sugestivos de dor também desapareceram com o uso dos fármacos dinamizados. O animal ganhou peso, teve melhora do estado geral, apresentou leucometria normal que diminuia a níveis toleráveis nos primeiros dias após a quimioterapia, voltando em seguida à normalidade, este animal teve uma sobrevida de dois anos e três meses. Caso 4 o cliente optou por não fazer a quimioterapia e a cadela foi encaminhado para o tratamento homeopático. Apresentou aparente remissão inicial dos nódulos, boa qualidade de vida e sobrevida de dois anos e cinco meses. Chun, R (2011) (1) afirma que embora o tempo de sobrevivência possa variar de acordo com o estagio da doença e a adesão do cliente a quimioterapia, a media de sobrevivência após tratamento com quimioterápicos é em torno de um ano. Nos casos relatados apenas um animal tratado com quimioterápicos e fármacos dinamizados teve sobrevida de três meses, bem abaixo desta media, porém com melhora da qualidade de vida. Os demais tiveram sobrevida de acordo com a media sugerida, ou maiores inclusive animais tratados somente com os fármacos dinamizados.
CONCLUSÃO: Pode-se concluir que os resultados preliminares indicam que os fármacos dinamizados podem tratar de animais com linfomas com resultados iguais ou superiores aos da terapia convencional com as vantagens de não terem efeitos colaterais e serem de menor custo e que mais estudos precisam ser feitos sobre o assunto.

ANEXOS


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

CHUN, R. Canine Lymphoma. Proceedings of the Latin American Veterinary Conference, Lima, Peru 2014. Published in IVIS with the permission of the LAVC Close window to return to IVIS. Disponível em www.ivis.org

CHUN, R. Canine Lymphoma: Streamlining the diagnosis and treatment. Proceedings of the Latin American Veterinary Conference, Jeju, Korea, 2011. Published in IVIS with the permission of the LAVC Close window to return to IVIS. Disponível em www.ivis.org
MORENO,K.; BRACARENSE,A.P.F.R.L. Linfoma canino: revisão. Revista Clínica Veterinária,Ano XI,n.62.p.56-60,Maio/Jun.2006.
DALECK, C.R.;DE NARDI, A.B.; RODASKI,S. Oncologia em cães em gatos.1 ed.São Paulo:Roca,2009.254-275p.372 p.482 p.526-533p.

JACONODINO, C.B.; AMESTOY, S.C.; THOFEHRN, M.B. A utilização de terapias alternativas por pacientes em tratamento quimioterápico. Cogitare Enferm. n.1. v.13.p.61-66, Jan/Mar.2008.
.
BOERICKE,W. Manual de matéria médica homeopática: os sintomas-guia e característicos dos principais medicamentos: clínicos e patogenéticos. Trad.Àlvaro Mesquita Júnior. São Paulo:Robe,430p.1997.

Palavras-chave: Oncologia, neoplasia, Altas Diluições