Anais de Trabalhos Científicos 7º CBHV

Calêndula officinalis como simillimum de um cão com distúrbio comportamental de medo e agressividade

AUTORES

Karine Bonucielli Brum (UFMS)

Karine Bonucielli Brum (UFMS)

Marina Luiza Franco (UFMS)

Artur Maggioni e Silva (UFMS)

Mônica Filomena Assis de Souza (SIGO Procedimentos Homeopáticos)


RESUMO INTRODUÇÃO

Transtornos de origem mental são reclamações constantes na clínica veterinária (1). Esse é um dos problemas causados pela convivência tão estreita com os humanos (2). No estudo feito por Soares et al. (1) foi constatada que a principal queixa de alterações de comportamento em cães no Brasil é de destrutividade, seguida pelas agressões a outros cães e a pessoas, sendo esta a principal causa de abandono. A agressividade canina pode ser provocada por raiva, dominância, proteção e medo (3). O tratamento convencional inclui: uso de medicamentos como antidepressivos e ansiolíticos; modificação comportamental; enriquecimento ambiental e modificações hormonais medicamentosas ou cirúrgicas (1). O objetivo do presente trabalho foi restabelecer o estado de equilíbrio para um paciente funcional, que apresentava somente sintomas mentais.


MATERIAL / MÉTODO

O paciente era um cão, macho, três anos e quatro meses, raça Labrador, que foi levado para consulta dia 09/06/2015, com a queixa de estar muito medroso e agressivo. Este comportamento começou quando, há aproximadamente um mês, os tutores chegaram de carro, de noite, em casa, com mais um casal de amigos no carro. O cão veio receber os tutores e eles achavam que ele se surpreendeu quando o casal saiu do carro. Desde então, arrepiava o pelo, rosnava, latia e avançava. Quando alguém o repreendia ia para a casinha e só saia por vontade própria, depois de muito tempo. Estava bebendo muita água, várias vezes ao dia, ao ponto de alguém ter que brigar com ele pra parar. Comia ração e era necessário que ficasse alguém junto agradando e conversando com ele pra comer. Não gostava de caminha ou panos, ficando deitado no piso ou na casinha. Gostava de banho com água gelada. Também estava com medo de fogos e tempestade, procurando a tutora. Foram repertorizados os sintomas mentais: medo, apreensão, pavor; transtornos por, antecipação; transtornos por, medo; e como sintoma geral, calorento. Foi prescrito Lycopodium 200CH, X/30, 3 gotas, SID, por 3 dias.


RESULTADO

Dia 16/06/2015 foi suspenso o Lyc, já que não apresentou melhora alguma na sintomatologia, e prescrito Phosphorus 200CH, X/30, 3 gotas, SID, por três dias. No dia 19/06/2015 apareceram pequenas lesões avermelhadas na bolsa escrotal. Dia 23/06/2015 a tutora relatou que o cão apresentou uma melhora discreta com relação ao desequilíbrio mental (no dia anterior não havia fugido pra casinha nenhuma vez), mas as lesões na bolsa escrotal pioraram muito. Estas eram bastante exsudativas e dolorosas e o animal estava com tremedeiras quando chegava perto da tutora. “Não sei se é ansiedade ou medo”, relatou a tutora. Com base no quadro mental e físico, foi prescrita Calendula officinalis 6CH, X/30, 3 gotas, TID, até a cura das lesões. No dia seguinte (24/06) a tutora envia uma mensagem relatando que administrou uma dose de Calendula às 12h e, de noite (antes de administrar a segunda dose), o casal de amigos que havia “perturbado” o paciente foi visitá-los e ele não se importou. “Ficou deitadinho com a gente. Ficou mais feliz e menos acuado”, relatou a tutora. A ferida da bolsa escrotal apresentou melhora significativa no dia seguinte ao início da administração da Calendula. Recomendou-se que continuasse o remédio duas vezes ao dia. O paciente tomou a homeopatia até dia 04/07/15. A agressividade e o medo foram melhorando gradativamente, assim como a lesão física. Apesar de Calendula não estar na rubrica “Mental, transtorno por medo”, que foi, provavelmente, a noxa que desencadeou as alterações comportamentais no cão, na matéria médica consta o sintoma “Assusta-se facilmente”, além de “irritabilidade e nervosismo extremo”, que são compatíveis com os sinais clínicos apresentados pelo animal (4). Associado a isso, é um “antisséptico homeopático”, proporcionando eliminação da dor e supuração e favorecendo a cicatrização. É utilizada em ulcerações recentes ou antigas, irritadas, inflamadas e dolorosas (4). Alterações no estado de saúde causadas por transtornos emocionais constituem os “transtornos por” na clínica homeopática. O medo é resultado de uma reação a chegadas rápidas, intensas e inesperadas de uma situação que perturba a rotina diária (5).Assim, podemos caracterizar como um transtorno por medo a saída do casal de dentro do carro de noite e a reação que esse cão teve. Quando o remédio prescrito não é o simillimun, mas um similar pode ocorrer o aparecimento de sinais físicos novos em órgãos não nobres, que acabam exigindo uma nova repertorização e escolha de um novo remédio (6). Devido à semelhança do quadro clínico desse cão com o medicamento homeopático Calendula, houve melhora rápida e gradativa nos sintomas físicos e mentais, respectivamente.Conclusão: A homeopatia se mostra como uma boa opção para o tratamento de distúrbios comportamentais, podendo ser associada a modificações ambientais, de manejo e conduta, buscando identificar e minimizar (ou retirar, se possível) o fator estressante. Hoje esse cão está equilibrado e tranquilo graças ao simillimum.


    REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

    1. Soares GM, Souza-Dantas LM, D’Almeida JM, Paixão RL. Epidemiologia de problemas comportamentais em cães no Brasil: inquérito entre médicos veterinários de pequenos animais. Ciência Rural, Santa Maria 2010; 40(4): 873-79.
    2. Benedeti M. Curando animais com a homeopatia. 3ª. ed. São Paulo: Mundo Maior Editora; 2013.
    3. Mundim APM, Scatena JHG, Fernandes CGN. Agressividade canina a seres humanos: reação normal ou alteração comportamental motivada pela raiva? Clínica Veterinária, ano XII, n. 67, 2007: 84-8.
    4. Vijnovsky B. Tratado de Matéria Médica Homeopática. Vol. 1. São Paulo: Organon; 2003.
    5. Silva FB. Causas desencadeantes (“Transtornos por”). In: Silva FB. Los animales y La homeopatia – teroría y experiencia. 3ª ed. Madrid: Editorial Dilema; 2010. p.121 – 48.
    6. Hahnemann, S. Organon da Arte de Curar. Ribeirão Preto: Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann; 2008.

    Palavras-chave: repertorização, transtorno por medo, homeopatia