Anais de Trabalhos Científicos 7º CBHV

Efeito de Preparação homeopática sobre o resultado do California Mastitis Test e a contagem de células somáticas em leite bovino

AUTORES

Marco Antonio Cucco marco.diretor@sigohomeopatia.com.br (Sigo Homeopatia - Campo Grande - MS)

Mônica Filomena Assis de Souza monica.rt@sigohomeopatia.com.br (Sigo Homeopatia - Campo Grande - MS)

Marco Antonio Cucco (Sigo Homeopatia - Campo Grande- MS)

Mariana Della Serra Amaral (Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos – UNIFEOB)

Angélica do Rocio Carvalho Silva (Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos – UNIFEOB/ Universidade de Guarulhos (UnG))

Karine Bonucielli Brum kbbrum@gmail.com (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS, Campo Grande – MS)

Artur Maggioni e Silva vet.artur.maggioni@gmail.com (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS, Campo Grande – MS)


RESUMO INTRODUÇÃO

Nos rebanhos leiteiros a mastite leva à redução da quantidade de leite produzido e mudanças em sua composição. É a principal doença a onerar os custos da produção leiteira, acarretando dessa maneira, sérios prejuízos econômicos e sanitários aos produtores e indústria. (1)
Na IN 62 de 29 de dezembro de 2011 os índices aceitáveis de Contagem de Células Somáticas (CS/mL) são de, no máximo 7,5 x 105 até 30 de junho de 2015 para o sul, sudeste e centro-oeste e a partir de 01.7. 2010 até 31.12. 2012, nas regiões norte e nordeste. (2) Para os produtores, independentemente dos limites legais máximos a serem adotados para o leite, os atuais programas de pagamento por qualidade bonificam aqueles que entregam leite com menos de 400.000 células/ml. Estes dados sobre os sistemas de pagamento por qualidade, cada vez mais comuns, indicam que o mercado se antecipa e define padrões de excelência de qualidade muito mais rígidos do que a legislação estabelece. (3) Na apresentação sub-clínica da mastite, o animal não apresenta alterações visíveis na glândula mamária, porém o leite apresenta alterações que podem ser detectadas por meio de resultados positivos para California Mastitis Test (CMT) e alta contagem de células somáticas (CCS). Essas alterações são importantes, pois afetam a qualidade do leite e de produtos derivados. Sendo assim, tais variáveis podem ser consideradas para fins de composição do preço do leite pelos laticínios, valorizando os rebanhos de baixa CCS, seja penalizando os de alta CCS. A qualidade do leite vai melhorar quando o mercado exigir, reconhecer e valorizar produtos com qualidade superior. (4)
O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito do uso de uma formulação homeopática na CCS de um rebanho leiteiro.


MATERIAL / MÉTODO

O trabalho foi conduzido em sistema de produção leiteira no período de outubro de 2007 a outubro de 2008. Foram selecionadas para o experimento vinte vacas holandesas, de terceira e quarta cria, com produção média de vinte litros/dia, submetidas a duas ordenhas por dia (às 6h e 16h), com ordenhadeira. Cada grupo era composto por cinco vacas na fase inicial de lactação, quatro na fase intermediária e um animal em fase final. Semanalmente, foram efetuados o Califórnia Mastite Teste (CMT) para detectar a ocorrência de mastite sub-clinica. As coletas das amostras para a CCS foram realizadas também semanalmente, a partir de cada teto separadamente e acondicionadas em frascos de plástico, com capacidade para 60ml que são detectados por um fotomultiplicador e transformados em contagens (1).
Durante o primeiro mês de coleta, os animais não receberam nenhum tipo de tratamento, A partir do segundo mês, o grupo (G1) foi tratado com medicamento homeopático: 5 gramas/dia de MastiSigo®, composto de Dirca palustris 12 CH Índigo silvestre 12 CH Cyclamen europeum 12 CH Solanum lethale 7 CH Napelum coeruleum 7 CH Calcarea ostrearum 12 CH ,com impregnação em carbonato de cálcio. Esse produto homeopático foi adicionado à ração das vacas, uma vez ao dia, durante todo o experimento. O segundo grupo (G2) foi tratado segundo a recomendação do fabricante com antibioticoterapia à base de neomicina, espiramicina e flumetasona intramamária assim que era detectado o diagnóstico de mastite sub-clinica pelo CMT.
Os resultados do teste de CCS foram confrontados com o teste de CMT para se obter a correlação entre ambos.
Para as análises estatísticas dos dados, foi empregado o método dos quadrados mínimos. No modelo estatístico, são considerados os efeitos de animal e mês de coleta para avaliar a CCS das vacas.


RESULTADO

Os resultados dos testes de CMT foram agrupados na Figura 1 e é possível observar que apesar de todos os tetos testados serem positivos no teste, a ocorrência de mastite sub-clínica se reduz gradativamente com o tempo. Nota-se que no grupo G2 a redução é visivelmente maior que G1 no período de Dezembro a Março. Nos meses de Abril e Maio o número de animais positivos é equivalente em ambos grupos experimentais e nos meses de Junho e Julho o G1 apresenta resultados negativos para CMT em um número acentuadamente maior de tetos que G2. Observando a Figura 2, é possível notar que nos dois primeiros meses de tratamento (Novembro e Dezembro) há um aumento da CCS no G1 e uma queda significativa em G2, que permanece em queda até o mês de Fevereiro. A partir de Janeiro, até o mês de setembro, a CCS do G1 diminui seus valores, com um ligeiro aumento no mês de Outubro. Paralelamente o G2 oscila picos de CCS com quedas nesses valores a partir de Março, entretanto mantém níveis significativamente maiores que o G1 até o final do experimento em Outubro de 2008.
As análises estatísticas dos resultados expostos demonstraram nível de significância ao confrontar ambos os tratamentos, com P>0,05, sendo os resultados ajustados para a fase de lactação das vacas e época do ano, o que indica a superioridade do tratamento homeopático nos animais analisados neste trabalho, quanto aos sinais clínicos e laboratoriais associados à mastite subclínica.
O Grupo G1 apresentou aumento da CCS na 4ª semana de tratamento, essa observação ocorre porque muitas vezes, no tratamento homeopático, acontece um aumento na intensidade dos sintomas, chamado na doutrina homeopática de agravação homeopática. Esse fenômeno se traduz em um estímulo das reações fisiológicas do organismo. A partir da 16ª semana foi detectado decréscimo na ocorrência na CCS, até níveis bem baixos, ocasionado pelo equilíbrio das funções.(5) Convenientemente, níveis dentro do aceitável pela legislação. (2)
O resultado do Grupo G2 é inconstante para contagem de CCS e, em muitos momentos, com níveis acima do aceitável pela legislação. Esse grupo, durante o tratamento alopático, esteve sob as normas de períodos de carência, em que o leite produzido no período de tratamento é condenado para consumo humano. Tal limitação não incide sobre o leite de animais sob tratamento homeopático.
CONCLUSÃO
De acordo com as observações do presente estudo, o medicamento homeopático MastiSigo® possui alta eficácia no tratamento de mastites sub-clínicas, mantendo a saúde da glândula mamária, além de incrementar a qualidade do leite devido à sua ação na baixa de CCS.
Levando em conta a observância à legislação no que tange ao número da CCS em níveis aceitáveis pela IN 62, a valorização comercial do leite de baixa CCS impacta a qualidade do leite, refletindo em melhor qualidade do produto para o consumo humano e para a preservação do meio ambiente. Assim, conclui-se que o tratamento homeopático oferece vantagens sobre o tratamento alopático.

ANEXOS


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

1) Voltolini TV et al. Influência dos estádios de lactação sobre a contagem de células somáticas do leite de vacas da raça holandesa e identificação de patógenos causadores de mastite no rebanho. Acta Scientiarum 2001; 23(4): 961-966.

2) Brasil. Instrução normativa nº 62, de 29 de dezembro de 2011. Aprovar o Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel [Internet]. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2011 dez. 29 [acesso em 2015 set 20]. Disponível em: http://central3.to.gov.br/arquivo/174314.

3) Santos MV. O atual limite de CCS do leite no Brasil está adequado? [Internet]. 2011 [acesso em 2015 set 20]. Disponível em: http://www.milkpoint.com.br/radar-tecnico/qualidade-do-leite/o-atual-limite-de-ccs-do-leite-no-brasil-esta-adequado-74798n.aspx.

4) Sbrissia GF. Sistema Agroindustrial do leite: custos de transferência e preços locais. [Dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”; 2005.

5) Hahnemann, S. Organon da Arte de Curar. Ribeirão Preto: Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann; 2008.

Palavras-chave: mastite, qualidade do leite, homeopatia.