Anais de Trabalhos Científicos 7º CBHV

Relato de casos com utilização de Aurum metallicum

AUTORES

Nilson Roberti Benites (FMVZ USP)

Priscilla Anne Melville (FMVZ USP)

Christiane Elis (Autonomo)

Carla Cavalca (Autonomo)

Silvana Maria Viana de Araújo (autonomo)

ANNA CATHARINA MAIA DEL GUERCIO VON SYDOW (Autonomo)


RESUMO INTRODUÇÃO

Hahnemann afirma que quando os processos patológicos estão muito fixados nois órgãos sensíveis, não se verifica sintomas mentais e sinais físicos em todo o organismo (1,2).
O medicamento Aurum metalicum apresenta como principais características a seguinte sintomatologia: humor melancólico com inquietação. Inclinação a chorar. Melancolia com rancor. Apático. Desesperado. Alterna humor alegre e chorão, ou raiva e tristeza. Memória fraca. Inquieto, apressado. Apreensão, cheio de medo; melancolia, disposição para chorar; Grande angústia, levando-o a partir de um lugar para outro com palpitação. Atua intensamente em quadros mentais, no sistema nervoso, no sistema cardiovascular. Apresenta ação nos ossos: nasais, crânio e patela. Pode ser utilizado em afeções de articulações, linfonodos, fígado e rins, em úlceras cancerosas, nas áreas externas que se tornam negras, nos quadros de ascite, osteofitos no crânio e outros ossos e perfurações nos ossos (3,4,5).
O objetivo do presente estudo foi analisar dois casos em que foi administrado o medicamento Aurum metalicum .


MATERIAL / MÉTODO

Foram estudados dois casos atendidos no HOVET FMVZ USP, .
Macho da espécie canina, Poodle, branco, nascimento em 2000 apresentava tosse quando agitado, tosse piora pela manhã e a noite, tosse por volta das 3:30 horas da manha, tosse como engasgado, quadro de bronquite, dificuldade respiratória pior pelo movimento, expectoração principalmente a noite, odor ofensivo da boca, espirra muito de manhã e a noite, secreção nasal amarelada, sanguinolenta por vezes, odor ofensivo, também coriza como muco transparente. Animal tranquilo, não procura companhia. RX tórax: diminuição do EIV (espaço intervertebral) C6-C7; espondilose ventral anquilosante L1-L2; discreta opacidade da paredes dos brônquios; estreitamento parcial bronquial esquerdo; pontos de calcificação subcutânea.
Fêmea da espécie canina, SRD, nascida em 2006 apresentava inicialmente.
Início das convulsões aos quatro anos de idade, convulsões, em média, mensais, tônico clônicas dia ou noite, sobressalta-se, mastiga muito, sede intensa após as crises, anda sem destino e muito, depois das convulsões, arrasta os membros posteriores, dificuldade para se levantar, fraqueza dos posteriores, membros anteriores trêmulos. Sensível a ruído, late muito (barulho incomoda), odor ofensivo da boca, dentes limpos, obesa, fome voraz principalmente à noite. Deseja companhia. Foi medicada com Zincum metallicum a três anos vem com melhora desde então sem apresentar convulsões. Porém apesar da melhora com o medicamento homeopático descrito anteriormente, o animal Apresentava quadros de rinite com presença de secreção, por vezes aquosa e crostas na maioria dos episódios, por vezes com obstrução nasal; prurido no lado direito, abcesso na altura da articulação Úmero-Radio-Unar direita. Alguns episódios de diarreia (com estrias de sangue ou muco), piora dos tremores em membros torácicos, quadro este mais semelhante à Aurum metallicum.
Desta forma, ambos os animais foram tratados com Aurum metallicum 30 CH.


RESULTADO

Houve melhora significativa de ambos os casos, com a utilização do Aurum metallicum, melhora esta que não estava se verificando com outros medicamentos administrados naquele momento.
Apesar do Aurum metallicum apresentar uma sintomatologia mental muito característica, nem sempre pode-se verificar tal sintomatologia, porém a atuação nos quadros no sistema nervoso, nos ossos: nasais, crânio e patela, nas afecções de articulações, osteofitos no crânio e outros ossos (3,4,5) apresentavam grande similitude com os quadros descritos anteriormente.
A utilização do medicamento auxiliou muito na evolução de ambos os casos e demonstrou o que Hahnemann descreveu, pois a fixação de determinados sinais em determinados órgãos sensíveis pode não se verifica sintomas mentais e sinais físicos em todo o organismo (1,2), sinais estes mais característicos do medicamento, o que não impede a sua utilização com bons resultados.


    REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

    1.HAHNEMANN, S. Exposição da doutrina homeopática ou Organon da arte de curar. São Paulo, 2ª. Edição brasileira, tradução da 6ª.edição alemã, 1835, Grupo de Estudos Homeopáticos Benoit Mure, 1995.
    2.HAHNEMANN, S. Doenças Crônicas. São Paulo, 5ª. Edição brasileira, tradução da 2ª.edição alemã, 1835, Servideias Comunicação Ltda, 1999.
    3.BOGER, C M. A synoptic key of the materia medica. http://www.homeoint.org/books2/bogersyn/index.htm. Acessado em 20/09/2015.
    4.BOGER, C. M. Bœnninghausen's characteristics materia medica & repertory. http://www.homeoint.org/books2/boenchar/index.htm. Acessado em 20/09/2015.
    5.HERING, C. Condensed materia medica. http://www.homeoint.org/books1/heringcondensed/index.htm. Acessado em 20/09/2015.

    Palavras-chave: Aurum metallicum, afecções ósseas, relato